quarta-feira, 4 de setembro de 2013

GRAVIDEZ PÓS-CÂNCER


Depois de cinco anos do Câncer, descobri que estava grávida. Uma grande surpresa, afinal eu já tenho dois filhos e jamais imaginei que depois de tudo que eu vivi eu poderia gerar uma vida novamente, é quase que contraditório – uma hora você está quase morrendo e depois você está gerando uma vida! Só tenho uma coisa a dizer: Milagre!
A gravidez foi um tanto delicada, tive sangramentos no início, a pressão subiu desde o começo e a asma que eu sempre tive insistiu em se fazer presente, enfim fiquei afastada do trabalho a gravidez toda, em repouso, tomando remédios para controlar a pressão e a asma, e indo em médicos quase que semanalmente, exames sem fim... digo que já levei tanta picada na veia que se eu reencarnar mais três vezes e não levar nenhuma picada de injeção, tá pago!
Assim foi, até que no último mês minha pressão resolveu subir de vez, como diz minha amiga Catarina, quando fui nascer disse que queria a vida com emoção, e assim foi feito. Fui parar no hospital de onde moro com a pressão a 18 por 11, tomei remédio, mais uma picada na veia e depois de algumas horas ela baixou, mas mesmo assim não muito saí de lá com a pressão a 16 por 9. Isso foi no sábado dia 03 de agosto, na segunda-feira dia 05, passei na minha médica que disse que teria um Congresso naquela semana e que esperava que o Romeo não nos aprontasse e decidisse nascer antes, mas como já lhes contei, escolhi com emoção... assim, na sexta-feira dia 09, fomos para São Paulo para comprar algumas coisas que ainda faltavam para o quarto do Romeo. Percebi que minha pressão estava alta, e passamos pelo Pronto Atendimento da Maternidade Pró Matre. Minha pressão estava alta, me medicaram, tomei mais uma picada na veia, remédios via oral e minha pressão continuava nas alturas. Passadas uma 6 horas que estava lá e nada de baixar e pressão resolveram me dar um calmante e retiraram o acesso da veia. Quando o médico foi me reexaminar para dar alta, percebeu que eu estava bem pior do que havia chegado, o calmante fez a pressão baixar, mas minha respiração sumir... tenho asma e o calmante acabou tendo um efeito sobre minha respiração.

A partir daí foi uma correria só, e eu meio grogue não tenho muita noção de horários, sei que fui examinada por um Médico de UTI que disse para o outro que eu não poderia ir embora daquele jeito, o outro médico concordou e aí apareceu mais um, e mais outro... percebi que o Romeo nasceria antes, um dos médicos disse que havia muito risco para mim, e também para o Romeo, que era arriscado ele nascer com 34 semanas, mas que continuar também seria e ainda mais. Assim comecei a ser preparada para a cesárea, respondi inúmeras questões para a enfermeira que colocava bolas adesivas nas fichas, cada bola colorida significava uma coisa e meu prontuário recebeu muitas bolas coloridas, pela pressão, pela asma, pelas alergias, pelo CA de mama, por não poder perfurar ou comprimir braço esquerdo, enfim... o médico chegou e disse:

 _Vamos fazer agora, já!

Eu perguntei:

 _Posso tomar banho antes, estou o dia inteiro...

 e antes que pudesse terminar ele disse:

 _Não! É agora!

Liberada a papelada de burocracia de convênio, fomos para a sala de cirurgia. Fui anestesiada por uma médica muito boazinha, e tinha uma outra que conversava comigo o tempo todo, cujo nome é o único que guardei Fernanda, me mantinha acesa, pois o calmante estava fazendo efeito. Começaram a me cortar e fizeram muita força, tiraram o Romeo e o levaram para uma sala ao lado correndo, ele não chorou, eu olhava para o semblante do Alessandro e falava para os médicos: _ Ele está passando mal! Fala para ele sair, ele vai desmaiar.
Sempre tive essa mania, a de tentar desvendar o que o outro está sentindo ou pensando pelo semblante, aprendi a desenvolver ainda mais essa habilidade quando tive o câncer e via a cara dos médicos quando viam meus exames e depois quando abriam meu curativo e viam que não estava fechando, enfim,   via na cara do Alessandro que a situação era difícil, e tentei falar o menos possível, coisa que é quase impossível.

Passado alguns minutos Romeo chorou , e nessa hora eu disse: _Eu ouvi, ele chorou! E logo a enfermeira o trouxe  e tiramos uma foto com o I Pad, já que não estávamos com a câmera fotográfica, nem filmadora, pois não tínhamos ido preparados para o parto, mas valeu o registro.
Fiquei na sala do pós operatório morrendo de sede, tinha muita sede. Pedi água e a enfermeira disse que não podia, trocou de turno, pedi para a que entrou, essa era mais generosa, me deu dois dedos de água que tomei tão devagar para que parecesse um litro. Fui para o quarto era 6:00 da manhã, Romeo nasceu às 02:27 da madrugada. Às 10 da manhã tomei banho, café e fui para outro quarto.  Nessa história toda, esqueci de contar que meus filhos Freddy e Pedro estavam conosco o tempo todo e uma enfermeira disse que o Alessandro só assistiria ao parto se tivesse um outro adulto que ficasse com os meninos do lado de fora, assim o Alessandro ligou para um amigo, a quem eu agradeço imensamente, que foi com sua esposa e ficaram com eles até as 03:00 da manhã no hospital e os levaram para dormir na casa deles, que é bem próximo ao hospital.

UTI
Quando estava tudo mais tranquilo o Alessandro me disse que o Romeo estava na UTI, pois estava com desconforto respiratório e que isso era meio que uma coisa normal, ainda que a palavra fosse UTI. Fomos vê-lo na UTI, fui andando com o Alessandro me ajudando a carregar o soro, chegando na UTI você tem que lavar as mãos, antebraços até o cotovelo com uma água quente e seguindo vários passos, depois em cada incubadora tem um pote de álcool gel, que vc passa também... cheguei na incubadora do Romeo, ele estava na sala 6 da UTI, estava com sonda para se alimentar e no oxigênio. A gente se prepara para tanta coisa, mas não para isso... passei mal, tontura, pressão, emoção, não sei... mas não aguentei ficar muito tempo e saí de lá chorando.

Dia seguinte já me sentia melhor, fui mais vezes e comecei a me ambientar, conversar com as enfermeiras, tentar entender como funcionava todo aquele universo. Alí você ouve tantas histórias, tanta coisa que tudo aquilo que você está passando se torna algo pequeno, por mais difíci que seja. Mães de UTI não tem tempo de repouso, de descanso, de sentir dor, as enfermeiras até falam da diferença das mães que tem filho e vão para a UTI e as demais. Que as demais sentem mais dor, que reclamam mais, e que as da UTI não tem tempo para isso. E é verdade. Tive alta na terça feira, dia 13 e o Romeo continuou na UTI. Foi o dia mais difícil da minha vida, acho que nunca chorei tanto, só chorava. Você tirar o quadrinho da porta da maternidade com o nome do seu filho, guardar tudo e ir embora para casa e sem o seu filho, não estava nos meus planos, nunca está nos planos de ninguém, foi muito triste. Cheguei em casa e continuei chorando, foram 2 dias de muito choro. Na manhã seguinte antes da 09:00 da manhã já estava no hospital de novo, a essas alturas eu já havia feito amizade com outras mães vizinhas de incubadora, com as enfermeiras e já tinha aprendido a rotina da UTI, as visitas médicas onde passavam todos os procedimentos realizados no Romeo, e assim por diante.
Na Pró Matre há uma sala para as mães cujos bebês estão na UTI, lá as mães tomam café, almoçam, jantam, podem assistir TV e descansar, e acreditem é uma correria só, você sobe para amamentar, desce para tirar leite... ah o leite.
Não sei como, nem porque, mas como todos que acompanham o blog sabem fiz mastectomia radical nos dois seios, o que em tese me impediria de amamentar, já que não há glândulas mamárias, nem nada, mas como todos somos um mistério e eu mais ainda, produzi leite! OS médicos achavam isso lindo, que história! Eu também achei maravilhoso poder amamentar o Romeo, ainda que somente com uma da mamas, pois a outra não há mamilo, então nem teria por onde sair. Pediram que eu conversasse com o meu mastologista e visse se ele me autorizava. Liguei no A.C. Camargo Câncer Center (ficou chique esse nome), e conversei com o Dr. Juan, que também se espantou pelo fato de eu produzir leite e que me liberou para amamentar. Amamentei alguns dias, mas nosso organismo é tão perfeito que ao estimular a mama direita, a esquerda também começou a produzir leite, a inchar, meu braço, minha mão, tudo, e ali, na mama esquerda... não tinha como sair, acabou que começou a me prejudicar, tive muita dor nas costas, febre... tive que parar, e ainda relutei em tomar essa decisão, mas as médicas do Romeo, Dra. Angela e Dra. Vilma me tranquilizaram, nossa elas foram fantásticas comigo, com ele, elas sempre me diziam: _Thaís vá tranquila, aqui está cheio de “Julietas” para cuidar do seu Romeo!

O tempo foi passando e o Romeo não saía, tiraram a sonda dele depois de uma semana, o que foi um alívio para mim e para ele, ele começou a mamar no copinho, depois mamadeira, e oq eu segurava ele na UTI era a respiração. Como nasceu de 34 semanas, o pulmão ainda não estava pronto e como foi tudo de emergência não tive tempo de tomar uma vacina que as mulheres em risco geralmente tomam para amadurecer o pulmão dos bebês. Foram tirando o oxigênio dele aos poucos, até tirar totalmente aí ele teve uma oscilação grande e teve de voltar tudo de novo, até ir reduzindo tudo novamente, assim ele foi para a Unidade SEMI-INTENSIVA, até ter alta, foram dias de luta, dias muito difíceis, tive o apoio de alguns anjos, Márcia Tamaki, Kemelly, Alessandra e o apoio incansável do Alessandro, Freddy e do Pedro.
Com tudo isso acontecendo, após 7 dias da cesárea, tive uma hemorragia pelo corte, espirrava sangue para todo lado, minha casa ficou cheia de sangue, dobrei uma toalha de banho e fui para o hospital mais próximo, lá a médica me explicou o que provavelmente estava acontecendo, que algum vaso não teria sido cauterizado e que teria estourado. Fiz o curativo e fui para São Paulo as 01:00 da manhã (sempre gostei da Av. Paulista à noite, mas nunca pensei que iria frequentá-la dessa maneira). Chagando lá fizeram outra drenagem, ultrassom, e adivinha, mais picadas...

Umas 06:00h saíram os resultados, uma coleção subcutânea! Coleção?
Aí o médico explicou que ainda bem que era subcutânea, pois se fosse mais profunda teria de voltar para cirurgia. Disse que eu teria de drenar todo aquele sangue até sair tudo.

Aí todo dia que eu ia lá mesmo para ficar com o Romeo, eu passava pelo PA para fazer drenagem e curativo. O Romeo teve alta e dois dias depois tive outra hemorragia, aff... comigo é sempre assim... com  muita emoção! Haja emoção! Dessa vez nem me desesperei, nem nada, eu mesma apertei, entrei no chuveiro até parar de espirrar, depois deitei na cama e o Alessandro me ajudou a apertar até parar de sangrar.
Ainda tomo antibiótico e anti-inflamatório por conta dessa “coleção”, tirei os pontos ontem, dia 03/09.

O Romeo está bem, lindo, mamando bastante e crescendo, e eu, depois de tudo isso ainda não tive tempo de parar e pensar em tudo que aconteceu, em como aconteceu, em nada, estou apenas fazendo o que sempre fiz, VIVENDO, e acreditando que sempre tudo passa... tudo!
 
 
 
 

Quis compartilhar toda essa história com vocês, pois sei que há muitas mulheres com câncer que sonham com a maternidade, quero mostrar que a maternidade pós-câncer é possível sim, que as complicações que tive foram por conta da pressão e asma, nada tiveram a ver com o câncer, então meninas não desistam... acreditem e vão em frente!
 

6 comentários:

Nah Romanos disse...

Essa minha amiga . Me mata de tanto chorar!!
Como sempre disse... tamo junto e misturado!!pode contar sempre comigo!!
Ps: quando tudo ficar sem mtas emoções. .. vou com a Tah.. ver vcs!!

Roberto Vas disse...

! Voce eh um exemplo. tantas emocoes e continua a vida VIVENDO. Melhoras. Parabens a todos pela chegada triunfal do Romeo!!

Mônica Casanova disse...

Parabéns pela força prima! Um grande exemplo para muita gente...s2

Beijos!

Patricia Paty disse...

Que linda história, até chorei lendo!que mulher guerreira que você é!estou grávida e passando mal coisa normal de uma gravidez, fui tomar soro no hospital e vi uma mãe desesperada se preparando para parto prematuro de 25 semanas e se culpando, até enfermeira a acalmar com suas palavras que tudo é Deus que nos ensina a ser forte e não temos culpa por tanta dor, a familia e amigos sao tudo para nós!que sua familia seja muito feliz e saude sempre!bjs

jual mesin las disse...

nice info, thanks

Zazzle Korpan disse...

Olá;

Tenho uma maneira nada convencional de pensar é verdade e não me enquadro no que é politicamente correto. Não me prostituo ( apesar de sofrer muitas criticas e muitas pessoas acharem que o que eu faço é prostituição ), não mato e não vendo drogas. Então o que há de errado em pensar grande e escolher sempre o melhor? Ter uma mente milionária não é pecado e gostar das coisas boas pode ser considerado apenas bom gosto. Quero ser rica, quero ser grande, quero ter sucesso, para isso preciso aprender e lutar e este blog de uma forma ou de outra está me auxiliando. Meu blog é um pouco diferente dos normais, mas vou provar a todos que chegarei lá. Se quiser visitar e acompanhar http://comoencontrarumbompartido.blogspot.com.br/